Arquivo da categoria: sustentabilidade

Locação de carros como bicicletas

Enquanto o blog ficou descansando, muita coisa rolou por aí e cá estamos de volta ao Brasil. Continuar escrevendo o blog ainda é uma questão em aberto. Mas enquanto isso volto a postar coisas interessantes que vejo por aí.

E hoje queria deixar registrado no blog o projeto de Paris que deve tomar as ruas em breve. É o Autolib, um sistema de locação de veículos elétricos que fucionará como o já exitoso sistema de aluguel de bicicletas, o Velib. Similar também ao sitema de carsharing, mas com uma estrutura muito maior e a incorporação da nova tecnologia de carros elétricos, em favor do meio ambiente.

paris carros eletricos

O Velib é considerado um dos pioneiros dos sistemas alternativos de transporte e vem sendo “copiado” em muitas cidades, como Barcelona e Sevilha. Ele funciona através de uma assinatura que se paga anualmente ou mensalmente, combinado com a tarifação por hora dos períodos utiliziados. Há pontos de aluguel de bicicletas espalhados por toda a cidade onde podem ser retiradas e devolvidas 24 horas por dia.

velib

Para o sitema de veículos a prefeitura de Paris quer disponibilizar até finais de 2010, 4.000 unidades, espalhados em 1200 pontos na cidade e grande metrópole.

autolib

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em comportamento, espaços urbanos, experience, inovação, paris, ponto de venda, produtos, sustentabilidade

Música sustentável

placas solares the premissesThe Premises, um estúdio de Londres,  é o primeiro estúdio do mundo que funciona 100% a base de energia sustentável. Tem The Klaxons, Lily Allen, Franz Ferdinand e Arctic Monleys como alguns dos artistas que constumam realizar as gravações de seus discos ali. E alguns deles não tiveram dúvidas na hora de anunciar sua adesão à causa de uso de energia solar.

The Klaxons juntamente com o estúdio, Lily Allen e outros apoiam a iniciativa We Support Solar, uma ONG que trabalha para conscientizar a população inglesa dos benefícios do uso desta fonte de energia e que tenta pressionar o governo a agir em prol da causa, contribuindo para que os custos deste recurso sejam mais acessíveis. “We’re proud to back the We Support Solar campaign. We use The Premises solar powered recording studio and we know how important solar power is to the delivery of a low carbon UK.” disseram os Klaxons ao gravar seu segundo disco no estúdio.

Além de toda energia consumida ser gerada pelos aparatos solares o estúdio não esconde sua preocupção com a qualidade dos equipamentos e do som, que parece ser aprovada pelos músicos.

studio the premisses

Es un estudio estupendo. Te encuentras a mucha gente interesante y es un lugar perfecto para pasar el día, no sólo trabajando. Además, es la primera vez que nos topamos con algo que pueda realmente satisfacer nuestro apoyo a las causas sostenibles“, diz Klaxons ao El País.

Além do estúdio The Premises possui um café que foi listado entre os The 50 Coolest Places To Eat in The World no mês passado pelo jornal The Observer, com destaque aos pratos turcos que oferece.

Para quem quer dar mais conferida no ambiente que se formou no lugar, tem um vídeo:


Deixe um comentário

Arquivado em comportamento, espaços urbanos, rede social, sustentabilidade

Direto da lancheira

danoneA nostalgia invade também embalagens de consumo, que tenta trazer de volta um passado idílico. Vale danones com etiquetas de escola, ilustrações do livro de ciências e claro, fotos antigas.

batatas

batatas 3

firefly

Esta marca de bebidas “energéticas saudáveis e naturais” firefly, usa embalagens com fotos em PB de pessoas ativas em pleno verão. A embalagem tem um ar de nostalgia, mas já com uma tradução de natural e original e uma simplifcação da mensagem. O site do Firefly é bem interessante, detalha cada produto e mostra a foto de todos os colaboradores, inclusive vários apresentam suas imagens em momentos de descontração ou de quando eram criança.

firefly

Este lado que tende mais para a simplificação do produto, ou essência do mesmo, e consequentemente das embalagens,  favorecem as marcas próprias, sobretudo quando a própria marca de varejo vende uma vida mais simples e saudável. Como é o caso por exemplo da Waitrose, que acaba de reposionar sua marca “select farm” para” Waitrose essential”, impulsionada também pelo fator crise .

geléia

mostardas

A simplificação de embalagem e de apresentação do produto também está nos produtos de M&S.

batatas 4 M&S

Deixe um comentário

Arquivado em comportamento, design, inovação, marca, ponto de venda, produtos, sustentabilidade

Fifteen, de Jaime Oliver

E já que falamos de Jaime Oliver, posso destacar o delicioso café da manhã que tomei do Fifteen,um de seus restaurantes que além da comida, tem uma proposta de oferecer oportunidade de trabalhos a jovens com poucas opções ou reabilitados. Foi experimentar de fato uma comida preparada com ingredientes naturais e  saborosos, num ambiente super informal e agradável.

Sugestão de café da manhã: Omeletes com tomates, rúcula con cogumelos frescos + mil shake de banana, mel e manteiga de amendoim.

fifteen 3

fifteen 2

Eles participam do projeto MetaboliCity, que tem por objetivo incentivar o debate e soluções de como designers podem intervir sensivelmente na produção urbana de alimentos provendo embalagens e conceitos que podem ajudar a sustentar estas iniciativas e potencializar positivamente esta mudança nas comunidades.  Fale a pena dar uma olhada no projeto.

Deixe um comentário

Arquivado em comportamento, design, espaços urbanos, sustentabilidade

Orgânico e 100% britânico

Um dos lugares mais interessantes da minha rápida e intensa visita a Londres foi o Borough Market, um mercado onde se compra tudo debaixo da etiqueta do eco, bio, orgânico “fabricado”. É o representante de toda esta cultura e filosofia de vida orgânica, tão exaltada pelos britânicos.

borough entrada

cogumelos reais

A experiência de entrar neste mercado começa pelo cheiro. Uma avalanche de deliosos e inspiradores aromas vagueia pelo ar e te remete instantaneamente a um universo de cores, sabores e sensações. Não é à toa que Jaime Oliver costumava andar por aqui. Legumes, verduras e frutas super frescos estão ao lado de diversos tipos de queijo, sucos naturais, hamburgueres veggie, uma grande variedade de pães, vinhos e geléias de todos os tipos, todos com etiquetas “100% orgânico”. Vontade de ficar lá o dia inteiro, provando, comendo e sentindo aquele ambiente.

borough 9

borough 8

Todas as chamadas sobre os produtos falavam de sua origem “natural”, saudável, vindo do “campo”.

eggs

borough 2

sacolas

As embalagens e ambientação das barracas também não ficavam por menos.

borough 4

borough

embalagens

borough 5

E toda esta filosofia orgânica já está há algum tempo refletida no varejo. Uma das cadeias de fast food desta linha é a  Pret a Manger, onde se vê nos produtos e embalagens a simplicidade e refrescância dos produtos.

Pret creates handmade natural food avoiding the obscure chemical, additives and preservatives common to so much of the ‘prepared’ and ‘fast’ food on the market today.”

pret 2

pret

A rede Marks&Spencer (M&S) também trabalha bastante o conceito de orgânico em toda a sua gama de produtos que vai desde alimentos a confecção de roupas.

M&S2

M&S

1 comentário

Arquivado em comportamento, design, experience, inovação, marca, ponto de venda, produtos, sustentabilidade

Intervenção urbana em caçambas

bishop

O que pode ser feito com aquelas intrusas, feias e sujas caçambas de lixo? O artista inglês Oliver Bishop fez mais que esta pergunta, oferece criativas e interativas opções de uso para o impessoal objeto nas ruas de Londres. O objetivo dele é “discutir o desperdício e reaproveitamento de materiais“.

De onde veio a inspiração das caçambas? “De um comercial da Ikea que encorajava as pessoas a jogar fora os móveis antigos para substituí-los por novos modelos a venda na loja.” dice ele à revista DIF.

bishop5

bishop2

bishop4

bishop3

4 Comentários

Arquivado em arte de rua, design, espaços urbanos, inovação, sustentabilidade

Quanto vale a água pra você?

Parece até que eu vou escrever sobre como salvar as fontes de água potável do planeta, mas não, o que me toca é um assunto menos relevante, mas muito instigante e sem deixar de refletir sobre o assunto. Na primeira semana que cheguei na Europa tive um primeiro choque  de câmbio na hora de comprar uma água mineral num bar de esquina. Pagar 1,50/2 euros por uma simples água não parecia nada justo, sem falar do café, que em alguns lugares bacanas de cidades européis chega a custar 7 euros.  Mas passado o tempo, você passa a reconsiderar a situação em casos necessários e adotas novos hábitos de consumo (passa a tomar mais café em casa, hehehe).

Foi na loja da Kadewe (Berlim), que tive o meu segundo choque aquático. Na zona gourmet da mega loja, desfilavam várias marcas de luxo de água, onde a cifra passava mais ao largo deste valor. Algo como 69 euros por 1 litro de água, o que você acha?

agua-2

A marca em questão era a Bling H2O. Dando uma visitada no site você já vê o slogan da marca “More than a Pretty Taste” e logo pode ver um representante da marca dizendo que está é a primeira garrafa de água super luxo do mundo. A especificação do produto fala sobre 9 estágios de purificação da água, incluindo ozônio, ultravioleta e microfiltragem. Eles inclusive recebem encomendas de celebridades que gostariam que a garrafa viesse realmente com diamantes encrustados ao invés de cristais swarovski. A garrafa de água mais cara do mundo que aparecia em reportagens de uma empresa do Canadá, a  10 Thousand  BC, apresenta uma explicação de que a água é extraída de geleiras glaciais de milhares de anos atrás, razão da pureza da água – dá vontade de rir, mas é isso mesmo. O nascimento de categoria de água premium  com denominação de origem é cogitado, que poderia passar a funcionar como o vinho, vejam só.

Na loja ainda apareciam outras marcas de luxo de água que iam com assinaturas como a de Jean Paul Gaultier, por exemplo.

agua-1

agua-3

bottle_group

Saindo um pouco deste mundo de luxo, mas ainda falando sobre marcas de água, vi na volta de Berlim no vôo da Easy Jet a comercialização da água  Thirsty Planet, que é uma proposta de água de consumo consciente e sustentável.

Numa iniciativa da empresa Waterbrands com slogan  “Compre uma garrafa e mude vidas”,destinam parte prediscriminada da arrecadação das vendas da marca (10%) em projetos de purificação de água na região da África sub-saariana do Pump Aid.

Deixo o vídeo sobre o projeto de purificação de água na África para que o choque seja ainda maior.

Deixe um comentário

Arquivado em comportamento, experience, marca, movimento social, produtos, sustentabilidade