Arquivo da categoria: ponto de venda

Locação de carros como bicicletas

Enquanto o blog ficou descansando, muita coisa rolou por aí e cá estamos de volta ao Brasil. Continuar escrevendo o blog ainda é uma questão em aberto. Mas enquanto isso volto a postar coisas interessantes que vejo por aí.

E hoje queria deixar registrado no blog o projeto de Paris que deve tomar as ruas em breve. É o Autolib, um sistema de locação de veículos elétricos que fucionará como o já exitoso sistema de aluguel de bicicletas, o Velib. Similar também ao sitema de carsharing, mas com uma estrutura muito maior e a incorporação da nova tecnologia de carros elétricos, em favor do meio ambiente.

paris carros eletricos

O Velib é considerado um dos pioneiros dos sistemas alternativos de transporte e vem sendo “copiado” em muitas cidades, como Barcelona e Sevilha. Ele funciona através de uma assinatura que se paga anualmente ou mensalmente, combinado com a tarifação por hora dos períodos utiliziados. Há pontos de aluguel de bicicletas espalhados por toda a cidade onde podem ser retiradas e devolvidas 24 horas por dia.

velib

Para o sitema de veículos a prefeitura de Paris quer disponibilizar até finais de 2010, 4.000 unidades, espalhados em 1200 pontos na cidade e grande metrópole.

autolib

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em comportamento, espaços urbanos, experience, inovação, paris, ponto de venda, produtos, sustentabilidade

Holala, segunda mão de marca

Não tenho conseguido atualizar o blog como eu gostaria, mas queria deixar uma referência de uma loja aqui de Barcelona de roupa de segunda mão. Um brechó de marca que é o Holala, no bairro do Raval, perto do MACBA e do CCCB.

holala

A loja tem com um espaço super grande e oferece peças realmente vintage e originais. Para valorizar este trunfo de atutenticidade, eles criaram uma etiqueta própria da loja, assegurando a “qualidade” de origem da roupa  que você está comprando.

roupa holala

etiqueta

O espaço conta também com exposições periódicas de obras de novos artistas plásticos que ajudam a dar o charme ao local.

2 Comentários

Arquivado em experience, inovação, marca, moda, ponto de venda, produtos, rede social

Direto da lancheira

danoneA nostalgia invade também embalagens de consumo, que tenta trazer de volta um passado idílico. Vale danones com etiquetas de escola, ilustrações do livro de ciências e claro, fotos antigas.

batatas

batatas 3

firefly

Esta marca de bebidas “energéticas saudáveis e naturais” firefly, usa embalagens com fotos em PB de pessoas ativas em pleno verão. A embalagem tem um ar de nostalgia, mas já com uma tradução de natural e original e uma simplifcação da mensagem. O site do Firefly é bem interessante, detalha cada produto e mostra a foto de todos os colaboradores, inclusive vários apresentam suas imagens em momentos de descontração ou de quando eram criança.

firefly

Este lado que tende mais para a simplificação do produto, ou essência do mesmo, e consequentemente das embalagens,  favorecem as marcas próprias, sobretudo quando a própria marca de varejo vende uma vida mais simples e saudável. Como é o caso por exemplo da Waitrose, que acaba de reposionar sua marca “select farm” para” Waitrose essential”, impulsionada também pelo fator crise .

geléia

mostardas

A simplificação de embalagem e de apresentação do produto também está nos produtos de M&S.

batatas 4 M&S

Deixe um comentário

Arquivado em comportamento, design, inovação, marca, ponto de venda, produtos, sustentabilidade

Orgânico e 100% britânico

Um dos lugares mais interessantes da minha rápida e intensa visita a Londres foi o Borough Market, um mercado onde se compra tudo debaixo da etiqueta do eco, bio, orgânico “fabricado”. É o representante de toda esta cultura e filosofia de vida orgânica, tão exaltada pelos britânicos.

borough entrada

cogumelos reais

A experiência de entrar neste mercado começa pelo cheiro. Uma avalanche de deliosos e inspiradores aromas vagueia pelo ar e te remete instantaneamente a um universo de cores, sabores e sensações. Não é à toa que Jaime Oliver costumava andar por aqui. Legumes, verduras e frutas super frescos estão ao lado de diversos tipos de queijo, sucos naturais, hamburgueres veggie, uma grande variedade de pães, vinhos e geléias de todos os tipos, todos com etiquetas “100% orgânico”. Vontade de ficar lá o dia inteiro, provando, comendo e sentindo aquele ambiente.

borough 9

borough 8

Todas as chamadas sobre os produtos falavam de sua origem “natural”, saudável, vindo do “campo”.

eggs

borough 2

sacolas

As embalagens e ambientação das barracas também não ficavam por menos.

borough 4

borough

embalagens

borough 5

E toda esta filosofia orgânica já está há algum tempo refletida no varejo. Uma das cadeias de fast food desta linha é a  Pret a Manger, onde se vê nos produtos e embalagens a simplicidade e refrescância dos produtos.

Pret creates handmade natural food avoiding the obscure chemical, additives and preservatives common to so much of the ‘prepared’ and ‘fast’ food on the market today.”

pret 2

pret

A rede Marks&Spencer (M&S) também trabalha bastante o conceito de orgânico em toda a sua gama de produtos que vai desde alimentos a confecção de roupas.

M&S2

M&S

1 comentário

Arquivado em comportamento, design, experience, inovação, marca, ponto de venda, produtos, sustentabilidade

Barbie, Barbie, Barbie

605_barbie-tinisToda mulher tem dentro de si vestigios da menina cor-de-rosa que um dia já foi. Pode gostar da cor ou não. A Mattel acaba de abrir (março 2009) sua primeira loja Barbie em Shanguai em comemoração ao 50° aniversário da mítica boneca. E lá, todo este lado rosa, pink, fucsia, pode ser explorado por meninas e mulheres de todas as idades. O prédio tem 6 andares cuidadosamente conceituados para uma verdadeira experiência de Barbie.

barbie-1

Spa, loja com roupas desenhadas por estilistas famosos, passarela, joalheria e café com criações exclusivas.Há também um andar com vestidos de noiva, desenhados por Vera Wang. Além de um “Designer Center” onde as clientes podem criar pelos computadores sua própria boneca.

barbie-2web

barbie-3web

Crise no mundo? Na China parece que nem tanto e eu espero que iniciativas como essa ajudem a espantar o mau-olhado pra bem longe!

dsc_0207

Foto de Tessa Thorniley Telegraph.co.uk

A marca fez um documentário sobre a construção da loja com apresentação do próprio VP da marca que está bem interessante e dá pra sentir bem o impacto da loja e as expectativas do empreendimento.

1 comentário

Arquivado em entretenimento, experience, inovação, marca, moda, ponto de venda, produtos

Gadgets sensuais

loveNão é de hoje que os brinquedos apimentadores de relações sexuais estão por aí, mas cada vez mais esta categoria de produto se aproxima de um público geral interessado em incrementar seus relacionamentos e aumentar a sensação de prazer.

Em Barcelona visitei recentemente 2 lojas de sex shop. Uma delas, a Kitsch, que deve ser uma das maiores e seguramente a com maior oferta de vídeos eróticos na cidade. Mas a experiência de compra é a de um modelo antigo, lugar mais fechado, escuro, itens trancados dentro de vitrines de vidro e uma atendente simpática que sempre te pergunta se você ainda quer mais alguma coisa (ou seja, se já comprou o que queria pode seguir seu caminho).

kitsch

Mesmo assim não deixa de ter uma proposta iteressante. Se chama de “jugueteria para adultos” e promove visitas guiadas ao sex shops e exposições de temas relacionados a sexualidade com piscólogas e sexólogas.

Mas a que me supreendeu mesmo foi uma loja de sexshop que mais parecia uma bomboniere ou uma perfumaria. É a Sensualove sexy store, cuja proposta é oferecer uma sex shop literalmente de “portas abertas”, onde pessoas de qualquer idade possam se sentir a vontade para entrar e ver os produtos “relacionados ao amor, à sensualidade e ao erotismo, conceitos pelos quais a marca entende a sexualidade“.

sensualove

E foi realmente isso que eu vi: um ambiente super aberto, com senhoras e jovens passeando pela loja. Perguntei à atendente sobre o movimento da loja e ela me contou que no começo, uns 2 anos atrás, as pessoas ficavam mais recatadas para entrar, mas que agora não, todo mundo anda curioso, sobretudo quando sai alguma reportagem na televisão ou veículo de massa, daí as pessoas vão até lá querendo saber sobre os itens que foram divulgados.

A Philips anda ligada neste movimento e por isso no ano passado lançou o “intimate massage“, inaugurando uma nova categoria de produtos que chamou de “Relationship Care”, dirigido em princípio a pessoas de 35 -55, pré-dispostas ao uso de estimuladores íntimos. A proposta do produto é  “incrementar o bem-estar das relações sexuais entre casais“. Pode ser comprado na amazon.

philips-sex-toys

Segundo divulgação da Philips, “In the UK, research showed that 35% of adults would consider using an intimate accessory with their partner if it were designed for couples rather than being meant for individual use. Furthermore, studies showed these adults would be more likely to try such products if they could buy them through more accessible and – what consumers perceive to be – less embarrassing retail channels.” E não é mesmo?

Outro dado super interessante, segundo recente reportagem do El país, Sexo en la crisis, é que a crise anda estimulando a venda de brinquedos íntimos, já que as pessoas começam a permanecer mais em casa. “Según un los datos del portal Amantis.net, correspondiente a una de las tiendas de productos eróticos más interesantes de Madrid junto con La Juguetería, No es Pecado y Sinvergüenza, la venta de artículos eróticos se ha incrementado un 18% en la capital desde que comenzó la recesión. Madrid todavía no ha alcanzado el nivel de desinhibición sexual de Barcelona, pero se está liberalizando velozmente.”

noespecadokitsentidos

A loja Sinverguënza estimula as mulheres a organizar reuniões divertidas em casa com as amigas, chamadas de Tuppersex. Nestas sessões uma embaixadora da loja tira dúvidas e demonstra o funcionamento de todos brinquedos à disposição.

Enfim, o sexo deixou sua imagem de submundo para assumir seu lugar lúdico e divertido na história.

Deixe um comentário

Arquivado em comportamento, entretenimento, experience, inovação, marca, ponto de venda, produtos, tendências

Lojinhas e lugares

Outros espaços e lojas alternativas chamam atenção no Bairro Alto. Entre grafites, ruas e escadas, novas propostas de lojas vão surgindo.

grafite-bairro-alto3

lojinha-bairro-alto

lojinha-bairro-alto2

grafite-bairro-alto21

loja-vinho

lojinha

lau

lojinha-bairro-alto3

Deixe um comentário

Arquivado em inovação, lisboa, moda, ponto de venda